Terça, 30 de Novembro de 2021
°

-

Dólar
R$ 5,61
Euro
R$ 6,32
Peso Arg.
R$ 0,06
Anúncio
Política Política

África do Sul vai extraditar Manuel Chang para Moçambique

O ex-ministro das Finanças Manuel Chang, detido na África do Sul a pedido dos EUA no caso das dívidas ocultas, será extraditado para o seu país, disse fonte oficial à Lusa.

24/08/2021 às 08h16 Atualizada em 24/08/2021 às 09h16
Por: Paulo Mahlalele Fonte: NM
Compartilhe:
NM
NM

"O Ministério da Justiça e Serviços Correccionais confirma, portanto, que foi tomada a decisão de extraditar o arguido para Moçambique", disse à Lusa o porta-voz ministerial Chrispin Phiri, ontem.

O porta-voz do ministro da Justiça sul-africano explicou que depois de considerar as representações das partes e "novos factos", o ex-ministro Manuel Chang "é considerado extraditável" nos termos do artigo 10 (1) da Lei de Extradição sul-africana.

 "O arguido será, portanto, entregue às autoridades moçambicanas para ser julgado ao abrigo da lei moçambicana por abuso de posição e função, violação de leis orçamentais, fraude, desfalque, corrupção passiva, lavagem de dinheiro e associação criminosa", adiantou Chrispin Phiri.

 Em outubro de 2019, o Tribunal Superior da África do Sul considerou inválida a decisão do anterior ministro da Justiça Michael Masutha de extraditar Manuel Chang para Moçambique, uma vez que "ainda gozava de imunidade" no seu país, remetendo o caso novamente para o novo ministro da Justiça, Ronald Lamola.

 Chrispin Phiri referiu que "passados vários meses, o governo moçambicano fez representações junto do ministro da Justiça e Serviços Correccionais da África do Sul", sublinhando que "alteraram os factos da questão, nomeadamente a questão da imunidade de acusação".

 "Perante os factos atuais o arguido não está imune a processo penal e foi devidamente indiciado pelo Governo moçambicano", frisou o porta-voz sul-africano.

 A transferência de Manuel Chang do Centro Correcional de Modderbee, leste de Joanesburgo, para as autoridades em Moçambique está a ser facilitada pela Organização Internacional de Polícia Criminal (INTERPOL), referiu o porta-voz do ministro da Justiça e Serviços Correcionais sul-africano à Lusa.

 A entrega do ex-governante moçambicano acontece quando o Tribunal Judicial da Cidade de Maputo começou hoje, na capital moçambicana, o julgamento de 19 arguidos acusados de envolvimento no caso das 'dívidas ocultas'.

 Manuel Chang, 64 anos, foi detido no Aeroporto Internacional O.R. Tambo, em Joanesburgo, no dia 29 de dezembro de 2018, quando tentava embarcar para o Dubai, à luz de um mandado internacional emitido em 27 de dezembro pela Justiça norte-americana, que pediu a sua extradição no âmbito da sua investigação às 'dívidas ocultas' em Moçambique.

 A Justiça dos EUA acusou Manuel Chang de conspiração para fraude eletrónica, conspiração para fraude com valores imobiliários e lavagem de dinheiro.

 De acordo com a acusação norte-americana, Manuel Chang avalizou dívidas de mais de dois mil milhões de dólares secretamente contraídas a favor das empresas públicas Ematum, Proíndicus e MAM, ligadas à pesca e segurança marítima em Moçambique.

 Manuel Chang foi ministro das Finanças de Moçambique durante o Governo do Presidente Armando Guebuza, entre fevereiro de 2005 e dezembro de 2014.

 O antigo ministro das Finanças moçambicano e deputado pelo partido Frente de Libertação de Moçambique (FRELIMO), no poder em Moçambique desde 1974, foi detido na África do Sul a pedido dos Estados Unidos.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
Ele1 - Criar site de notícias