Quinta, 20 de Janeiro de 2022
°

-

Dólar
R$ 5,40
Euro
R$ 6,11
Peso Arg.
R$ 0,05
Geral Internacional

Benim - Joël Aïvo condenado a 10 anos de prisão num processo por traição

Joël Aïvo foi detido a 15 de abril em Porto-Novo, um dia após o anúncio da reeleição do Presidente do Benim, Patrice Talon, com mais de 86% dos votos.

07/12/2021 às 11h49
Por: Paulo Mahlalele Fonte: NM
Compartilhe:
web
web

O opositor Joël Aïvo, professor de direito cuja candidatura às eleições presidenciais de abril no Benim foi rejeitada, foi condenado hoje a 10 anos de prisão por traição e branqueamento de capitais, disseram fontes judiciais à agência France-Presse.

Detido há oito meses, o académico negou as acusações de "conspiração contra a autoridade do Estado" e "branqueamento de capitais" que pesavam contra si no tribunal de repressão de crimes económicos e terrorismo (Criet), que o condenou após um julgamento que durou 16 horas.

 

Joël Aïvo foi detido a 15 de abril em Porto-Novo, um dia após o anúncio da reeleição do Presidente do Benim, Patrice Talon, com mais de 86% dos votos.

 

O opositor compareceu ao Criet, um tribunal especial criado em 2016, juntamente com Alain Gnonlonfoun, o responsável financeiro do movimento 'Dynamique Aïvo', e dois militares, um destes reformado.

 

"Estou a sofrer um vingança política (...). Sabia que as minhas ideias iriam atrapalhar", declarou Aïvo na segunda-feira, na abertura do julgamento.

 

O Criet é considerado pela oposição um instrumento legal para amordaçar a oposição do Benim.

 

À partir de quinta-feira, este mesmo tribunal irá julgar Reckya Madougou, ex-ministra presa poucas semanas antes das eleições sob a acusação de querer assassinar uma figura política para impedir as eleições e desestabilizar o país.

 

A violência irrompeu na semana anterior à votação em vários municípios do centro do país e os manifestantes bloquearam as estradas principais, interrompendo o tráfego de sul a norte.

 

Os manifestantes, que denunciaram a ausência de uma oposição credível nas eleições de abril, foram dispersados com gás lacrimogéneo e com munição real pela polícia.

 

Patrice Talon, empresário extremamente rico que fez fortuna com o algodão, eleito pela primeira vez em 2016, é acusado pelos opositores de ter levado o Benim a um regime de cariz autoritário.

 

As principais figuras da oposição no Benim estão, em grande parte, no exílio.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
Ele1 - Criar site de notícias