Quinta, 20 de Janeiro de 2022
°

-

Dólar
R$ 5,41
Euro
R$ 6,13
Peso Arg.
R$ 0,05
Política Política

Nyusi diz que rebeldes que atacaram Niassa vão ter a resposta que merecem

Para o chefe de Estado, o alastramento do conflito para a nova província mostra o desespero dos rebeldes, que têm estado a registar várias baixas, incluindo entre os líderes dos grupos insurgentes

30/12/2021 às 16h38
Por: Paulo Mahlalele Fonte: Lusa
Compartilhe:
Sapo
Sapo

O Presidente da republica, Filipe Nyusi, disse hoje que os rebeldes que atacaram Niassa vão ter a resposta que merecem, considerando que as incursões naquela província são promovidas por insurgentes que fogem das ofensivas das forças governamentais em Cabo Delgado.  

“Alguns [insurgentes] estão a fugir [de Cabo Delgado] para Niassa por muitas razões, uma delas é a comida. Eles estão com problemas sérios de alimentação. Mas garanto que eles vão ter a resposta que merecem”, disse à comunicação social estatal Filipe Nyusi, a partir de Mbau, Mocímboa da Praia, no âmbito de uma visita que realiza a província de Cabo Delgado.

Os sinais de alastramento da insurgência para a província do Niassa, vizinha de Cabo Delgado (norte de Moçambique), começaram neste mês, com ataques esporádicos a pontos recônditos que provocaram a fuga de cerca de 3.000 pessoas e a morte de, pelo menos, outras cinco.

Para o chefe de Estado, o alastramento do conflito para a nova província mostra o desespero dos rebeldes, que têm estado a registar várias baixas, incluindo entre os líderes dos grupos insurgentes.

“Na semana passada, por exemplo, durante uma emboscada das nossas forças, foi abatido um [líder] deles e outros vão ficar. Eles estão a ser corridos daqui [de Cabo Delgado]", frisou o PR.

A província de Cabo Delgado é rica em gás natural, mas tem sido aterrorizada desde outubro de 2017 por rebeldes armados, sendo alguns ataques reclamados pelo grupo 'jihadista' Estado Islâmico.

O conflito já provocou mais de 3.100 mortes, segundo o projeto de registo de conflitos ACLED, e mais de 817 mil deslocados, de acordo com as autoridades moçambicanas.

Desde julho, uma ofensiva das tropas governamentais com o apoio do Ruanda, a que se juntou depois a Comunidade de Desenvolvimento da África Austral (SADC), permitiu aumentar a segurança, recuperando várias zonas onde havia presença de rebeldes, nomeadamente a vila de Mocímboa da Praia, que estava ocupada desde agosto de 2020.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
Ele1 - Criar site de notícias